Pinturas

Descrição da pintura por Jean Baptiste Simeon Chardin "Still Life"

Descrição da pintura por Jean Baptiste Simeon Chardin



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Chardin era um verdadeiro mestre da natureza morta. Ele preferiu representar objetos, utensílios e utensílios completamente familiares. Suas pinturas são tão democráticas quanto possível e ao mesmo tempo incrivelmente significativas.

Vemos objetos que se tornam um símbolo de uma vida familiar durável. Eles demonstram seu caminho ordenado. Diante de nós há uma tigela com uma colher, um copo e três maçãs. Este é um lembrete da refeição de uma pessoa comum. O artista está muito atento a todas as coisas. Além disso, não importa o que está à sua frente: uma tigela simples ou uma maçã.

O artista procura organizar todos os objetos da maneira mais natural possível. Todos eles têm o selo do fato de que em algum lugar existe uma pessoa. Ele não coloca as coisas em cima da mesa, mas as pega pelo tamanho. Não temos a impressão de que temos objetos muito grandes ou muito discretos. O visualizador pode examinar cada item detalhadamente. Mas, ao mesmo tempo, o retrato é removido apenas o suficiente para parecer o mais convincente possível.

Ainda a vida é escrita incrivelmente volumosa. O artista usa habilmente as transições de luz e sombra. Tons são vibrantes e sonoros. Não sentimos nenhuma ilusão. Diante de nós está a imagem mais precisa das coisas reais. Eles são incrivelmente tangíveis e naturais.

O artista trabalhou em cada uma de suas naturezas-mortas por muito tempo. Nas suas primeiras criações, ele procurou tornar a imagem o mais animada possível. É por isso que ele retratou certos elementos decorativos e também acrescentou animais. Mais tarde, ele decidiu abandonar completamente isso. Diante de nós, há apenas um conjunto de objetos familiares a uma pessoa na vida cotidiana. A tela é a mais calma e completamente estática possível. A arte do pintor é pensada contemplativa e filosoficamente. Quando você olha para essa natureza morta, pode sentir.





David Donatello


Assista o vídeo: Exposición de Chardin en el Museo del Prado (Agosto 2022).